Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - CLXXXIII(Desertificação do meio rural)

As pedras da calçada falavam com o corrupio de gente, uns de tamancos, outros de chancas e os mais endinheirados que eram poucos, de botas cardadas. Todos com uma ferramenta, sachola, engaço, gadanho às costas, ou um podão na mão ou a foicinha no ombro. Era um ver de gente que ia ou vinha dos andurriais e todos sabiam o que fulano ou sicrano faziam. A vida tinha um sentido comunitário, quase familiar, em que todos se conheciam e entrosavam.

Estou a falar da terra das minhas raízes que assim era quando este veterano era menino e moço, mais tarde fez-se homem, que por lá andava a ajudar nos trabalhos agrícolas, e também aos grilos e aos ninhos mas também pela borda dos caminhos às amoras e morangos. E o meu pai dizia-me perante a minha titubeação no futuro:

- Estuda para não ficares na “laboira”.

 

Comecei este arrazoado a falar num tempo que já não o é. Agora quando vou à terra, e faço-o muitas vezes, sinto um vazio que me deixa muito pensativo. A desertificação do meio rural está galopante, agravando-se ano após ano. Pela lei natural da vida os mais velhos vão desaparecendo sem que haja reposição humana.

 

Aqui e agora deixo este desabafo!...

 

 

Ant.Gonç.(antonio)

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.