Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

A m/memória do 10 de Junho

O 10 de Junho que anualmente se comemora, é feriado nacional, dia de Camões e das comunidades portuguesas é sempre por mim sacado das minhas memórias, e porquê?

Já por aqui abordei o assunto quando em vários posts me referi a “histórias da guerra”, vou-me certamente repetir. Tinha o batalhão de que fazia parte acabado de chegar a Angola à zona de guerra, Quicabo de seu nome onde apenas havia um foleiro aquartelamento e alguns pretos dentro da cerca do arame farpado, que trabalhavam numa fazenda. Depois de alguns dias de reconhecimento do terreno com o batalhão residente que nos foi dando umas dicas sobre o inimigo, foi depois para o leste de Angola, ficamos entregues à bicharada.

Foi então precisamente no dia 10 de Junho de 1967 que uma coluna de viaturas militares entre o Caxito e Quicabo foi apanhada numa emboscada que resultou em mortos e feridos com uma viatura GMC incendiada, por sinal a que levava o correio que tinha ido da metrópole, um aerograma que os meus pais me tinham enviado, foi-se. Foi o baptismo de fogo que deixou o pessoal do batalhão abanado, mas havia que recuperar forças morais e físicas, pois a missão que tínhamos em Angola estava ainda no começo.

Eu que era militar do arame farpado, leia-se, tinha missão dentro do aquartelamento, também senti todo esse drama.

 

   Ant.Gonç. (antonio)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.