Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Crónica três

Este artigo recente do António sobre a aula de pedagogia trouxe-me à memória uma outra professora que todos recordarão, concerteza: a doutora Flora. Estou a lembrar-me concretamente de uma aula com ela. E estou a ver a senhora, atrás dos seus óculos graduados e por baixo dos seus cabelos brancos, a abrir o manual de pedagogia que tinha sugerido aos alunos que comprassem e a pousá-lo em cima da secretária. De seguida, recordo-me de ter dito aos alunos presentes na sala que ia dar uns apontamentos. Não sei se estávamos em 1970 ou 1971 mas fiquei a saber que os apontamentos que a senhora estava a dar eram, nem mais nem menos, do que o que estava escrito no manual a páginas xis. Não desminto que já tinha escrito uma ou duas linhas mas apeteceu-me olhar para o lado para verificar o que faziam as minhas e os meus colegas. Todos escreviam. É verdade. Todos estavam a escrever. Agora não me perguntem se o que estavam a escrever era o ditado que a senhora estava a fazer ou os versos para o livro de curso...Olho para o outro lado e...idem, aspas. Olho de novo para o manual e lá apanho a linha onde a senhora ia. Bom, só me faltava mesmo era olhar para trás. Quando o faço e vejo que toda a gente também escrevia, ouço aquela voz característica da professora que vê o aluno distrair-se:

- O senhor aí, não escreve? Não toma apontamentos?

- Tomo, tomo, senhora doutora.

E lá consegui chegar ao fim da aula sem criar problemas.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.