Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

"Obrigado pelo rebuçado"

Com o título em epígrafe publica-se, com a devida vénia, o texto de Fernando de Oliveira - Porto, que saíu no JN de 21 de Junho no Correio do leitor:

"Fui uma destas noites ver a sala de visitas da minha cidade do Porto, onde nasci há 67 anos. Estacionei na Praça do General Humberto Delgado, onde continua resistente a estátua de Almeida Garrett, escritor e político, que os governantes da nossa cidade, teimosamente(ainda não foi desta), não transferiram para a praça que lhe dá o nome, junto da estação de S. Bento.

Deparei imediatamente com um longo tanque de água, sem beleza, de configuração sem originalidade e que será muito útil aos jovens para umas banhocas. Cuidado pais, que foi montada uma ratoeira.

Mais uma oportunidade perdida de ter sido construída a primeira fonte luminosa do Porto. Quando iniciei a descida pelo passeio central, que terá sido construído a contar com os milhares de adeptos do F.C.Porto para ali festejarem os constantes títulos do nosso glorioso, mas que agora se habituaram a festejá-los voltados para quem nos quer bem, enchi-me de riso quando ouvi de um outro revoltado portuense:"Este Cinza Pedreira devia fazer a obra para a terra dele e plantar mais passeios de pedra em Matosinhos e em Leça".

Mais abaixo, vejo a montagem de um grande palco, junto da antigas instalações sanitárias subterrâneas, e já  lá estavam grandes camiões a ocupar o espaço recentemente criado... para a circulação das pessoas. Vá lá, deixaram um metro de cada lado para os peões... Se tivessem levado a estátua de Garrett para o seu sítio, poderiam ter instalado na Praça Humberto Delgado um palco permanente, em pedra, claro!, ou um palco elevatório que servisse os permanentes eventos que a nossa Avenida sempre nos proporcionou. Que vistas tão curtas governam a nossa cidade! Que cinzentismo de ideias!

 Continuando o percurso, reparo que, só por distracção, espero eu que tenha sido, as réplicas dos imponentes candeeiros de três globos, ao contrário da posição dos que implantaram na Praça Humberto Delgado, estão colocados, Avenida abaixo, paralelamente com as linhas das guias dos passeios. Pasme-se por mais esta originalidade. Plantas e flores, longe com elas, pois não são compatíveis com pedra. Estátua dos Meninos, pedra à volta. Não há espaço para um canteiro... A mesma situação com a estátua da Menina Nua... Também só tem direito à mingua de uns pingos de água. Luz e verdura de flores não são compatíveis... Antes de chegar à Praça. olhei as monumentais fachadas dos prédios da nossa Avenida e vi-as tapadas com frondosas árvores feias que alguém de mau gosto escolheu há uns anos e que  os "renovadores" de agora não tiveram a coragem de retirar e plantar outras, de pequeno porte, mais ligeiras.

A Praça, coitada, escapou, vá lá (obrigado pelo rebuçado), a que o cavalo de D. Pedro ficasse de rabo voltado para o Passeio das Cardosas. Pobre "Avenida" dos Aliados! Que mal te fizeram. Valha.nos que não foram portuenses quem cometeu tais erros!"

 

Vem-me à mente que estamos a ser governados por uns totós destruidores, e citando Manuel Antonio Pina, que atingem não só o presente mas também o passado, isto é, o futuro.

Sempre, antonioduvidas

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.