Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - CXXIX(Cuidar do ambiente)

Acudam que aí vem lobo, se não vem é como se viesse, eram os gritos lancinantes quando o “vermelho” aparecia a lavrar na mata em plena canícula.

Estou a falar do meu tempo de menino e moço lá na terra que quando surgia este destruidor, leia-se incêndio, tão malévolo como o lobo que dava cabo dos ovis, todo o mundo se munia de foices, podões, engaços, enxadas, ancinhos, baldes e se metiam a caminho para o combater quer fosse na serra ou em alguma casa. O alerta era dado pelo sino do campanário, pois havia sempre um mais lesto que disso se incumbia, repicava o sino freneticamente.  Agora, mutatis mutandis, fica tudo a olhar à espera que os bombeiros de Nespereira façam o seu trabalho, e de nariz no ar a verem o heli ou o avião que mandam lá de cima umas descargas de água.

É certo que no passado as matas andavam limpas, era aproveitado o mato para as cortes dos animais e biologicamente estrumavam-se as terras. Por outro lado havia mais gente braçal nas aldeias e sobretudo estava enraizado um espírito comunitário de ajuda que actualmente se esfumou.

Mas vamos então dizer ao que venho.

O meu eucaliptal tinha sido cortado há cerca de dois meses,  os toros foram  encaminhados pelo negociante de madeiras para as celuloses, mas toda a ramaria ficou espalhada pelo terreno. Ora foi então necessário eliminar agora nesta época de calmia toda essa potencial matéria que seria altamente combustível na época crítica dos fogos.

Quatro maduras habituadas a este tipo de trabalho, que não se abrigam sob o guarda-chuva do rendimento social de inserção, sob minha orientação começaram a juntar e queimar para o terreno ficar limpo desse material sobrante, tem sido trabalho de alguns dias e ainda não está finalizado. E assim quando aparecerem os rebentos das tocas, também se diz tocos, dos eucaliptos cortados, crescem livres de estorvos e sem matéria inflamante por perto. E se duma cajadada se podem matar dois coelhos, então vamos nessa,  também está a ser feito o aproveitamento de alguma lenha mais grossa nomeadamente das coruchas, que dá muito jeito para o recuperador de calor durante os meses de temperaturas baixas. A motosserra esteve em acção para os paus maiores  nas mãos do Artur, bem caçado neste tipo de serviço.

O trabalho está a ser feito, a natureza vai sendo cuidada, agora é esperar que se desenvolva naturalmente livre do perigo maior que a possa apoquentar, o fogo (vermelho, como se diz lá na terra).

 

  Ant.Gonç. (antonio)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.