Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - CXXXIX(Porto São Joanino)

Mais um passeio à cidade orientado pelo veterano Germano Silva. O itinerário já era meu conhecido, mas não hesitei, há sempre algo a aprender com estórias verdadeiras e outras a rondar o bucolismo que o mestre é fértil em debitar para os seus numerosos seguidores.

A partida foi no emblemático jardim de S. Lázaro, assim conhecido, que foi mandado construir por D. Pedro IV em homenagem às mulheres do Porto que tão bem se bateram pelo liberalismo. A manhã estava com bom sol e Germano Silva ao passar junto a um dos vendedores de rua comprou um boné azul e branco tendo na pala bem visível "69". E então deu largas ao seu humor brincando com a situação deixando tudo com escancaradas gargalhadas. Seguiu o numeroso grupo pela Rua de S. Vítor onde há muitas ilhas que são memórias do operariado que aí habitava, mão de obra que dinamizava as muitas fábricas do Bonfim. Passagem pelo cerne da festança do S. João, Fontainhas, que é também um magnífico miradouro para o Douro e Serra do Pilar. O passo seguinte foi pelo Bairro do Herculano que tem entrada pela Rua das Fontainhas e pela Alexandre Herculano, que é um esmero na arte de bem viver com poucas posses, ruelas devidamente limpas e ajardinadas. Isto é como se fosse um condomínio fechado, dizia uma das moradoras. Aconselho vivamente a quem gosta de conhecer o Porto, uma visita. Dizia uma simpática moradora, na galhofa, breve vamos começar a cobrar! Eu já conhecia, mas andei muito anos a calcorrear os becos da cidade e só há pouco tempo, também num passeio de Germano Silva, é que descobri esta vivência citadina no seu melhor.

Entramos depois pelo centro histórico, Sé, Pena ventosa, Santana, Bainharia e atravessamos o Rio da Vila que vai encanado sob a rua Mouzinho da Silveira e finalmente Rua das Flores até ao largo de S. Domingos onde mais uma vez actuou o Rancho Folclórico do Porto que já é uma presença habitual nestes passeios. Ao seu Director que vim agora a saber tem raízes cinfanenses, é também um sabedor sobre coisas do Porto, António Fernandes/rancho folclórico que fazem agora trinta anos, foram cantados os parabéns.

 

  Ant. Gonç. (antonio)

 

3 comentários

Comentar post