Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto CXXI (O miau encurralado)

A noite tinha sido molhada, foi sempre a esgalhar, acordei bem cedo, passei os olhos pelo computador e liguei às notícias do motor sapo, e dentro em nada já me encontro no ginásio a fazer uns alongamentos. E de tarde? Como de costume, faço muitas vezes, uma pescadinha de rabo na boca, vou por um lado ao âmago duro do Porto e volto por outro, sempre a gastar solas.

Então meti pés a caminho marginal fora, observando a corrente forte do rio e bandos de corvos marinhos a adornar as sapatas dos pegões da Ponte do Freixo, chegam sempre nesta altura do ano. Arribo à praça da Ribeira, uma calmaria, não havia futebol no Dragão com clube estrangeiro para encher aquelas esplanadas; Rua de S. João; Mouzinho da Silveira e faço uma viragem à esquerda para a rua da Ponte Nova e num prédio a cair aos bocados chama-me a atenção uma placa alusiva ao pintor Silva Porto que ali nasceu. Rua das Flores e já na Rua dos Caldeireiros cujo nome já não diz a cara com a careta encontro motivo para este post.

Um carro parado em cima do passeio, ali a rua é estreita, capôt aberto e um grupo de mirones, eu fui um deles, a espreitar para o motor do veiculo. Miau, miau, era o que vinha lá das entranhas do emaranhado compacto de peças que abraçam o motor. É um gato, é um gato pequeno que se meteu sabe-se lá onde, dizia o pessoal. Se uns mais sintonizados com a defesa dos direitos dos animais diziam, coitadinho do gatinho, é preciso salvá-lo, nem que se chame os bombeiros! Outros, e nestas coisas há treinadores de bancada para todos os gostos, argumentavam que se lhe atirasse um balde de água ele tinha que se pôr a mexer. Outros ainda, os mais radicais, gatos há muitos, está agora o homem, dono do carro, a perder tempo por causa de um gato… Se fosse comigo punha o motor a trabalhar e seguia caminho, era mais gato, menos gato, verborreavam. No meio de todo este driblar de bocas, há uma vizinha dum estabelecimento ao lado que telefonou a um conhecido de uma oficina que veio com um macaco hidráulico numa pick up, levantou o carro dum lado. Busca aqui, busca ali, em cima e em baixo e a situação continuava sem gato à vista embora se ouvissem os miaus. Depois alguém arranjou uma vara plástica curva e lá se tentou chegar junto do bichano. Após várias tentativas o pretinho lá se pisgou de tal maneira espavorido que foi para o meio da rua em correria não sendo esmagado por um automóvel por um tris. Fim da estória, fim feliz.

 

 

 (antonio)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.