Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - XCVII (Os javardinhos)

A sinfonia estridente gri, gri da cigarra intervalada com o grasnar da rã no ribeiro dão àquele local um bucolismo campestre. O sardão estendido ao sol numa lapa pira-se por entre o ervaçal ao sentir os meus passos e mais além no pinheiral o crocitar forte dum passarolo, qual sentinela a avisar toda a fauna terrestre e aérea, aí vem um estranho! Estávamos em pleno Agosto quando a canícula mais aperta. Os campos de cultivo, agora já há poucos, exigem nesta altura mais água e até nós os humanos emborcamos mais líquidos.

Uma água entubada estava com problemas, não chegava ao destino, então fui ver o que se passava. Munido de roupa adequada e uma roçadora lá fui abrindo caminho por entre exuberante matagal junto a uma zona ribeirinha. Campos que foram de pão são agora áreas agrestes com todo o emaranhado de fetos, codeços, giestas, silvas, urtigas e tudo o mais que a mãe natureza faz desabruchar. Portugal foi no engodo da Comunidade europeia e agora está todo esfarrapado com chagas incuráveis.

Bem, mas voltemos atrás, ia eu numa acção de reconhecimento sobre a ausência do precioso líquido quando ouço um estardalhaço que identifiquei vindo de um silvado lateral à minha passagem. Parei, olhei e como nada mais escutei, segui caminho até à nascente. Solucionei os empecilhos da condução da água e regresso pelo mesmo caminho. Pelo sim, pelo não ao passar pelo tal local onde ouvi o ruído, deito o olhar e agora o que observo? Dois juvenis javardos com o corpo listrado (em pequenos têm a cor totalmente diferente da idade adulta) entre as silvas. A minha reacção foi a mais sensata, segui caminho e com o pé mais acelerado. Se os javardos adultos normalmente se afastam dos humanos a menos que sejam atacados, já com os filhotes poderá a javardina, caso estivesse por ali, ter uma atitude de defesa.

Já tinha visto adultos navalheiros, estes metem um certo respeito, têm o corpo cinzento escuro, agora juvenis foi a primeira vez.

 

 

  (antonio)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.