Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - CXII (Tripas à moda de Gaia, etc)

 - Tripas à moda do Porto? Menezes, o presidente gaiense anfitrião do evento, não teve a seu lado o presidente da Câmara do Porto. Gente de vários quadrantes da cidade invicta, Germano Silva, historiador; Rui Veloso, cantor: Rosa Mota, a das corridas, entre outros aproveitaram para se porem ao lado do futuro presidente da CMP, e claro com a ajuda do JN que a isso se referiu. Motivo do encontro, uma tripalhada.

 

- Mais uma achega contra Rui Rio, as praças do Porto estão sujas e cheiram mal (JN). Os portuenses só sabem dizer mal da sua cidade, foi o comentário de Rio, confrontado com a situação, que assim fugiu ao cerne da questão.

 

- R. Rio deve andar um bocado transtornado, há dias dizia que o Palácio das Cardosas ficava na Avenida dos Aliados, que como é sabido fica na Praça da Liberdade. Recebi agora um e-mail de uma amiga dizendo que “numa sebenta dedicada às festas do S. João no Porto, que anda a ser distribuída por aí, Rui Rio assina um texto no qual diz que S. João Baptista é o padroeiro da cidade”. Mais uma gaffe do senhor presidente.

 

- O actual presidente da CMP sempre me pareceu um homem sério. Meteu na ordem uns directores de serviços que se andavam a lambuzar com grossas luvas. Mas convenhamos que isso não chega, esperávamos mais e também não podemos esquecer que foi quem transformou praças ajardinadas em jardins de pedra.

 

- Menezes parece que tem feito obra em Gaia. Mas é muito populista e na minha óptica gosta de deixar imagens de marca. Uma delas é o teleférico que penso que será uma daquelas obras de gastar dinheiro "à tripa forra", tipo estádios  do Euro 2004 às moscas, como às moscas andam as cestas do vai-vém!...

 

 

  (antonio)