Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - XCII (As travessuras pelo S. João)

Contos e lendas vão perdurando e correndo de pais para filhos. Poderão ter um cunho hiperbólico mas têm sempre um fundo de veracidade.

O senhor Joaquim, vamos chamar-lhe assim, era  de meia idade, mas o trabalho campestre não diria de sol a sol mas de antes do nascer do sol e após o seu ocaso dava-lhe um ar mais pesado – um velhadas de fibra quer no aspecto físico como também na sua má catadura. Era um lavrador que com a ajuda familiar fazia terra de pão onde lavrava seis carros de milho, pensava três vacas serranas de raça arouquesa e uma leiteira, turina, além do gado miúdo. Para a patroa ficavam os galináceos e o cevado.

A sua irascibilidade era posta à prova pelos moços da aldeia – gostavam de lhe pregar umas partidas pelo S. João. O carro das vacas era sempre o alvo apetecível deslocando-o para o adro da Igreja. Mas daquela vez o Sr. Joaquim armou-se em valentão, tinha feito saber que ninguém lhe ia levar o carro. Pegou numa manta de burel para se prevenir das orvalhadas do S. João e foi deitar-se em cima do chadeiro do carro, tinha ali à mão os fueiros para dar umas bastonadas nos brincalhões das travessuras. Como estava bastante cansado do dia de trabalho, tinha andado a empegar o campo do milho do restivo e de madrugada tinha ido roçar uma carrada de mato ao monte do Serro, adormeceu no carro com sono pesado que nem um justo. Então quatro rapazes que estavam à cuca, dois deles super musculados, tinham acabado de vir da tropa de um curso de pesos pesados, deixaram o homem ferrar o galho e então carregaram suavemente o chadeiro, dois nas chedas, um na cabeçalha,  outro no recavém e foram colocá-lo numa poça de água de rega que estava na fase de enchimento. (Acresce aqui dizer que um dos mariolas tinha antecipadamente à socapa, afrouxado os pescazes das cantadoiras para depois soltarem mais facilmente o chadeiro das pesadas rodas).  Só quando a água atingiu o nosso homem é que ele despertou do profundo sono de Morpheu, espavorido e furioso, mas já nada havia a fazer, tinha sido bem tramado. Por uns dias lá na aldeia não deu de fraco, fechou-se em copas, mas os rapazes ocultamente foram espalhando o que tinha acontecido ao Sr. Joaquim.

As travessuras pelo S. João tinham mais uma vez sido bem sucedidas, e a tradição falou mais alto.

 

 PS: Esta estória vale o que vale, que é mais velha que o mijar dito por quem lhe passou os olhos

 

 

  Fiquem bem, pelo S. João, (antonio)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.