Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Histórias de vida

 

Reforçando o âmago do post anterior de Franc. aqui vai mais esta:

 

O povo português por muito que nos custe dizer tem poucos hábitos culturais de higiene, de pontualidade e de preservação ambiental (Agora assiste-se a uma semeadura de beatas nos passeios à frente dos estabelecimentos comerciais na consequência da boa medida de proibir fumaças debaixo de telha). Temos muito a aprender com os povos nórdicos e nem o bom clima invejado por esses povos nos faz mudar de atitude, parece que cada vez somos mais atrasados.

Mas quero falar da pontualidade que é uma desgraça, até parece que é fine chegar tarde e não cumprir horários. Vem isto a propósito do que há dias sucedeu comigo. Durante toda a minha vida, profissional incluída, tive sempre a fobia da pontualidade, quando por qualquer motivo me atrasava ficava lixado comigo mesmo.

Nunca tive necessidade de recorrer a advogados mas agora precisava de alguém que me interpretasse um testamento, daí telefonei a um amigo dos tempos de estudante, contabilista de profissão, que me indicou um advogado que até já lhe tinha prestado uns serviços. Diz-lhe que fui eu que o indiquei, disse-me o meu amigo. Bem, telefonei, a consulta foi marcada para as cinco da tarde. Fazendo fé na pontualidade, fiz horas no Café Ceuta e às cinco em ponto lá estava para ser atendido. Esperei um quarto de hora, meia hora e aos três quartos de hora disse à recepcionista que me ia embora e que por favor, como tem aí o meu contacto, aguardo por nova marcação. Assim feito, daí por dois dias marcou então nova consulta também para as cinco da tarde. Na altura lembrei, mas é mesmo às cinco, olhe que eu sou pontual! Bem, lá fui, esperei um quarto de hora e à meia hora levantei ferro disse que me ia embora, pois tinha horários a cumprir e não podia estar ali à espera indefinidamente.

Apesar de tudo não dei o tempo como perdido, o Café Ceuta, como já referi em post anterior, encheu-me as medidas enquanto fazia horas para ir pontualmente ao sr. Dr.

 

 

   (antonio) 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.