Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - LXII (WC)

Gostamos de andar por aí olhando para as curvas da cidade, o casario, as ruas, o arvoredo de algumas praças em contraste com outras que mais parecem uma careca de um sexagenário. Temos a percepção de fazermos a ponte entre a cidade que conhecemos há uns anos e a que agora existe. Não estamos a falar da cidade dos carros de bois da primeira metade do século XX que já não apanhamos, mas ainda temos presente as carroças puxadas a cavalo que normalmente percorriam a cidade a trote a recolher as “lavagens” dos restaurantes que iam alimentar os animais dos subúrbios agrícolas que na época não ficavam longe.
Até aos nossos dias chegaram os WC masculinos e femininos que normalmente estavam instalados em sítios recatados, por baixo de coretos ou incrustados em subterrâneos como havia na Praça da República e na Avenida dos Aliados ou entalados em laterais de ruas como na Rua do Bonfim, Praça da Batalha, Rua da Madeira estes super concorrido. Todos fecharam, é certo que não eram locais de muita higiene, mas isso é outra história, e não foram dadas alternativas aos utentes para alívio das águas e não só!...
Os mictórios que ainda estão ao serviço como o da imagem que fica no jardim Paulo Valada até acho bem que sejam preservados mas não no actual estado degradante. Dos vários que conheço idênticos a este que às vezes utilizo num faz de conta para ter matéria para esta crónica, são um nojo. Não percebo como é que a tal ASAE é tão exigente na limpeza dos WC dos cafés e restaurantes,  e nestes WC públicos não mexe uma palha. Todos ficariam a ganhar. Sei também que há pela cidade umas cabines modernaças de WC onde se mete a moedinha até para uma trivial mija. Nunca entrei nesses cubículos que me parecem claustrofóbicos mas isto é uma ideia minha, e também penso que o grau de utilização desses locais deve ser muito baixo.
Resumindo e concluindo, pensamos que a senhora Câmara do Porto, como se dizia na minha terra, devia dar mais atenção a estes locais no aspecto da higiene. O turismo que poderá ser a galinha dos ovos de oiro do país, pois outras saídas não se vislumbram no fim do túnel, também sairia beneficiado.
 

 

  Fiquem bem, antonio

2 comentários

  • Imagem de perfil

    antonioduvidas 17.01.2009 22:46

    Afinal hoje descobri uns sanitários para homens e senhoras abertos e em estado aceitável de higiene encrostados no muro de suporte das Escadas do Pinheiro. No entanto vou lá passar daqui a um mês para verificar se ainda estão inoperacionais dois dos urinois conforme dito numa folha A4.

    - Sabias tu Franc, certamente que sim, que já existe um "museu" de fontes, bicas, chafarizes etc.? Pois é mais um cemitério onde esses artefactos estão lá depositados - é nos jardins de Nova Sintra. Agora a questão será outra. Deverão essas peças ser retiradas dos locais originais como têm sido para um museu a sério? Todos sabemos que numa de modernidade balofa alguns arquitectos da moda em conjugação com os poderes autárquicos têm retirado esses símbolos duma época dos locais originais ou por exigências urbanísticas ou por simples modas. A título de mero exemplo veja-se as cambalhotas que já deu a estátua "O Porto". E daqui por uns anos irá novamente mudar de poiso ou no mínimo ter uma rotação de 180º.

    (antonio)
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.