Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - CXXXVIII(Em Macieira, Fornelos - Cinfães)

Era este o post que eu não gostaria de fazer, mas pronto lá vai.

Não tenho a pretensão, nem pouco mais ou menos, de aqui fazer uma avaliação, até que não tenho dados que me suportem neste ou naquele sentido, sobre a gestão do presidente da câmara de Cinfães que agora deixou funções por limite de mandatos. E qualquer apreciação a fazer-se não confundiria o sr. presidente da câmara com o meu colega de curso, José Manuel Pereira Pinto.

Sendo assim o que a seguir vou dizer reporta-se exclusivamente ao presidente da câmara que agora deixou funções. O assunto que mais uma vez trago a este blogue é daqueles que fazem parte da cidadania de que todos nós não nos devemos abster. Assim, devemos zelar pela nossa rua ou pelo local onde nascemos ou vivemos ou até pelo nosso local de trabalho ou de laser. É também uma questão cultural herdada dos meus antepassados, porque não dizê-lo, que vou mantendo para o bem comum da sociedade da qual todos fazemos parte.

Vamos então ao cerne deste post. Já em 2007 enviei ao sr. presidente da câmara de Cinfães uma comunicação escrita no sentido de ser recolocada uma simples placa de mármore que tinha sido destruída e estava incrustada num pedestal de três blocos de granito aparelhado, em 1935, à face da estrada em Macieira, Fornelos. Como a minha sugestão não deu efeitos práticos novamente em 2009 e em 2013 insisti alertando o sr. Presidente. Até que chegamos agora e como sói dizer-se, tudo como dantes quartel general em Abrantes.

É inqualificável que a CMCinfães não se dispusesse, não sei com que motivos, desleixo, apatia, para recolocar um simples memorial, pois é disso que se trata, preservando assim a memória de um dos nossos antepassados. Parece que nem o facto desse memorial ser a um professor, presidente da câmara da altura, que em 1935 fez chegar a estrada em macadame a Macieira, sensibilizou o edil que agora deixou funções.

Como na CMC há um novo autarca, é para ele que vou sugerir a resolução deste caso que se vem arrastando há muitos anos. Deixo aqui a última carta que enviei em Agosto deste ano ao Sr. presidente da CMCinfães.

 

 

   Ver:   http://magisterio6971.blogs.sapo.pt/137996.html

 

 

 

           Ant.Gonç. (antonio)

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

(transcrevo a última carta enviada em Agosto, à CMC)

 

""29/08/2013

 

 

 

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cinfães

 

Assunto: "Recuperação de monumento"

 

 

 

Tomo mais uma vez a liberdade de solicitar os bons ofícios de V.Exª para a resolução duma situação que se vem arrastando há vários anos e que já levei ao conhecimento do senhor presidente em Agosto de 2007, em 05 de Janeiro de 2009 e há cerca de um ano por e-mail. Trata-se da recolocação de uma simples placa de mármore, memorial, em Macieira, Fornelos, ao sr. Presidente da câmara, professor Carlos Soares. A que existia foi colocada em Outubro de 1935,  foi destruída, estava incrustada num pedestal de três blocos de granito aparelhado, à face da estrada, junto ao cruzamento que dá para a capela do Senhor dos Enfermos.

 

Certamente que nos arquivos dessa câmara poder-se-à encontrar a fidelidade da inscrição desaparecida.

 

Espero o empenhamento pessoal de V. Exª. para a resolução do caso. Apresento a V.Exª os meus cumprimentos.""

 

 

 

 

Coisas de amigos

Já se ouviu falar que na altura de eleições, normalmente quando mudam de cor os mandantes das autarquias, há projectos gordos que estavam em banho maria na gaveta para serem ou não aprovados e num ápice à última hora, antes do novo autarca tirar o pó ao cadeirão, saltam cá para fora aprovadinhos!... Só quem não quer ver é que não vê.

E também há sempre amigalhaços do  amigo que são admitidos à última hora para as empresas municipais, vejamos:

No JN de 2/11/2013 sobre Gaia, com o título “Contratados de última hora podem ser dispensados”, diz que em 1 de Outubro logo após as eleições que foram em 29de Setembro, foram contratadas 20 pessoas para o quadro das empresas municipais. E diz que entre os admitidos estão familiares de ex-vereadores (um sobrinho do ex-vereador Mário Dorminsky, o tal do Fantasporto que tem a justiça à perna segundo a imprensa), dois antigos autarcas e pessoas próximas dos partidos. Agora o novo presidente da câmara de Gaia diz “não quero fazer perseguições, mas quero saber se estes trabalhadores são, de facto, necessários. Não posso fazer de conta que não vi”.

Afinal o ditado popular, quem tem amigos não morre na cadeia, não é a mangar.

 

 

 

   (antonio)

Às três da manhã

Quando nos entregamos nos braços de Morfeu sem preocupações de maior e acordamos às três da matina, ficando largo tempo a contar carneirinhos, há coisas que nos vêm à mente  no silêncio da noite e nos deixam pensativo. Refiro-me aos africanos que em situações de extrema pobreza arriscam viagens para o el dourado da Europa. Há poucos dias foi notícia o naufrágio no Mediterrâneo de 300 emigrantes. Agora no deserto do Saara  foram encontrados 50 cadáveres, a maioria de mulheres e crianças, de nigerianos que demandavam Argélia e daqui certamente a ilha italiana de Lampedusa.  (O JN dava essa notícia numa caixa minúscula). Não sei o que poderá fazer a Europa, até agora tem feito de conta.

O Papa Francisco que tem tido atitudes positivas de alterar o status quo de vícios enraizados na Igreja – um dia pregam-lhe uma rasteira, dizia uma veterana conhecida cantora portuguesa – tem sido sensível à pobreza dos africanos que tudo arriscam para sobreviver. A situação destes povos esbarra com uma Europa que está também em dificuldades com muito desemprego e também agravamento derivado da globalização, a China e Índia e outros países do Oriente em forte concorrência com os produtos europeus.

Enquanto estava a magicar nestas misérias humanas veio-me à mente o fausto em que vivia rodeado aquele cardeal alemão, até uma banheira de 15.000€ o cristão tinha nos seus aposentos!... O Papa Francisco chamou-o à pedra e parece que o pôs fora do baralho. Cá para mim urge ter um Francisco destes também em cada diocese e em cada paróquia.

 

 

  Ant.Gonç.(antonio)

Pág. 2/2