Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - CXXXIV(Um dos da casa)

 

 

Em Macieira de Fornelos, Cinfães, podia-se não ter podengo, quase sempre se tinha, mas o felino esse era imprescindível, fazia parte da casa.

O primeiro era o guardador da casa de lavoura e também o companheiro inseparável do lavrador quando ia para o campo e sobretudo para o monte guardar o gado. Como recompensa era-lhe dado num covilhete avantajado já esbotenado, fora de uso humano, caldo de couve galega com batata rambana, uns nacos de côdea de boroa e um pedacito de toucinho da última matança do reco. E quando por lá aparecia a navegar um osso depenado de carne, chamava-lhe um figo, tirava-o para fora e rilhava-o até ao tutano.

Quanto ao miau, tinha carta branca para entrar e sair da casa, (veja-se na imagem a porta da cozinha) quer de noite quer de dia, sempre à hora que quisesse. Era um exímio lutador na caça aos ratos, pois as casas de lavoura eram propícias a estes roedores. O filho dum gaio quase que se auto sustentava na sua actividade venatória, mas não enjeitava de quando em vez, quando o sardinheiro aparecia com a canastra às costas enfiada num pau de asa a asa, uma sardinha moída que lhe era atirada com bonomia. Era inteiro, leia-se não capado, caseiro como era, pregou um susto desgostoso aos donos quando certa vez, por alturas de Fevereiro, deu de frosques, soube-se mais tarde que foi à gatice durante uma semana, quando voltou vinha esgalgado, feito num oito. Mas em poucos dias recuperou com os mimos dos donos e na caça aos roedores que tinham aproveitado a ausência do depredador para fazerem um assalto à caixa do milho, entrando por uma nesga que tinham minado na madeira velhíssima de castanho. Nas noites frias de Inverno era mais molengão, passava horas enroscado junto à lareira apanhando o quente e não poucas vezes trazia o corpo manchado com pelo queimado. Mas aqui poder-se-á dizer que fazia companhia ao casal de lavradores sentados no preguiceiro afogueando-se, esgravelhando os trabalhos agrícolas para o dia seguinte, os filhos já tinham ido para a enxerga ao sol posto.

O Tareco era mais um da família.

 

 

 (antonio)