Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - CLXVII(Camilo)

Ora aqui está a última escultura colocada  na cidade do Porto, no Largo do Amor de Perdição.  Trata-se de Camilo de Castelo Branco, mesmo junto à cadeia da Relação  (actualmente aí funciona o centro português de fotografia) onde o amantizado escritor esteve atrás das grades.  Pode-se dizer que foi um preso VIP, o jovem rei D. Pedro V foi visitá-lo, e tinha também lá na cadeia um correligionário, seu amigo José do Telhado que se  pôs à disposição, tipo guarda costas.

O escultor moldou o grande Camilo a apalpar o pacote da sua amada Ana Plácido, deduz-se. É sabido que ficou conhecido pelas suas qualidades de escritor, escrevia à velocidade de um ferrari, o “amor de perdição” foi redigido em duas semanas. Tinha também  um fraquinho, para não dizer o superlativo, pelo sexo feminino, o escultor entendeu realçar as duas vertentes.

Sabe-se que o marido oficial de Ana Plácido, um rico comerciante da Rua do Almada, tinha subornado um preso da cadeia para liquidar Camilo. José do Telhado ao ter conhecimento disto sossegou o amigo, dizendo-lhe: esteja descansado, se alguém tentar contra a sua vida, três dias e três noites não chegarão para enterrar os mortos. Com amigos destes ninguém morre na cadeia, digo eu.  José do Telhado, o repartidor, roubava aos ricos para dar aos pobres. Tinha posto todo o vale do Sousa em sentido