Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - CXLVII(Professor injuriado)

Fala-se muito na não justiça que grassa neste nosso país esfrangalhado, é para não fugir à regra onde tudo não rola sobre carris. Uns dizem que a culpa é das leis que saem do hemiciclo que são confusas, ambíguas, cheias de alçapões dando azo a serem manuseadas por gente do poder conforme der jeito. Sugiro visionamento do vídeo com  Paulo Morais, no fim do post . Marinho e Pinho, bastonário da Ordem dos Advogados não tem tido papas na língua, dá forte e feio nos aplicadores da justiça.

Não sei se os eventuais leitores deste escrito já alguma vez tiveram problemas com a justiça, eu felizmente não. Pelo que leio e oiço é de fugir, pois o azar de alguém se sentar no banco dos réus ou à beira, e se precisar de advogado?!...

Vou contar um caso que se passou nas minhas barbas. Quando trabalhei na escola do Passeio Alegre de que aqui já fiz referência, à hora do recreio há um rapazola de maior idade, que saltou o muro da escola e foi jogar à bola com os alunos para o logradouro. O professor que estava por lá não gostou e indicou ao intruso para se pôr ao fresco. O rapaz à primeira não ligou, cresceu, e só perante a insistência do professor é que desandou não sem que o injuriasse à vista de todos os alunos. Bem, o professor sentiu-se maltratado e comunicou ao ministério público que fez um inquérito e  finalizou com um julgamento no tribunal de S. João Novo. Fui arrolado como testemunha do que tinha presenciado e no julgamento perante o juiz o advogado do rapaz começou a desancar na atitude do prof “que expulsou um antigo aluno que  só entrou na escola para recordar tempos idos, etc” e toda aquela lengalenga palavrosa que os advogados sabem florear. Fiquei banzado ao ouvir aquilo pensando que o castigo, em face do  articulado do causídico, iria cair sobre o prof. e ilibar o insultuoso. Mas não, o juiz impávido e sereno aplicou ao prevaricador uma pena que de facto merecia.

Este apontamento é mais uma memória da vida profissional..

 

      http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=yxC5urzHq9s

 

  (antonio)