Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - CIX (Portugal turístico II?)

 

Dar nozes a quem não tem dentes é como atirar ao cão um cherne grelhado, prefere um osso escanifrado. Vem esta máxima mais uma vez a propósito do serviço de que me é observado constatar nas esplanadas em pleno coração da cidade do Porto.

Já há dias aqui abordei o assunto que poderia ser pontual, mas não. Ali mesmo nas barbas do Palácio das Cardosas, agora transformado num novíssimo hotel “intercontinental”, no lado poente da Praça da Liberdade, quatro esplanadas fazem concorrência entre elas pelo mau serviço. Estão num dos melhores locais, sombreadas pelas árvores, e que bom nesta altura do Verão quando o calor aperta. Eu e um amigalhaço do tempo da tropa pontualmente vamos revivendo a amizade, fomos tomar qualquer coisa e sentamo-nos à espera que alguém nos atendesse. Pois, espera galego!... Fizemos sinal ao sr. empregado que com ar enfadonho não ligou muito. Bem, depois de esperarmos tempo de sobra, levantamo-nos e fomos para outra esplanada ao lado, pensando nós que seria diferente. Qual quê?... Depois de longa espera o meu amigo levantou-se e foi pedir o serviço ao interior do estabelecimento. Quando finalmente nos serviram disseram-nos para depois irmos pagar lá dentro. Acresce dizer que as esplanadas estavam com clientela a meio gás ou menos.

Será o funcionamento destes estabelecimentos o retrato do andar enferrujado do nosso país? Pois é, depois admiramo-nos ou nem tanto, do dinamismo dos chineses deixando os portugas a léguas, neste ram, ram. O empreendedorismo nestes moldes parece condenado ao fracasso. E é pena que até suceda naquele local paradigmático visitado pelo turista.

 

PS: Na revista da CMP “Porto sempre” que agora me chegou às mãos Rui Rio em Editorial fala no Palácio das Cardosas, agora hotel, dizendo que fica na Avenida dos Aliados. Já no interior da mesma revista falando-se da reabilitação da Baixa com hotel de luxo no Palácio das Cardosas é referido que ele fica na Praça da Liberdade.

É sabido que a Praça da Liberdade dos nossos dias teve já muitas designações a partir do século XVIII, entre outras,  a saber: Praça Nova das Hortas; Praça da Constituição; Praça Nova; Praça de D. Pedro IV; Praça da República e finalmente da Liberdade. Quererá agora Rui Rio simplesmente bani-la fugindo-lhe a boca para os desejos tal como  Sisa Vieira a quando da intervenção naquele espaço teve isso em mente. No entanto numa superficial pesquisa sobre a toponímia no site da CMP ainda lá figura Praça da Liberdade. Seria só uma gaffe de Rio?

Já agora, não havia uma placa toponímica “Passeio das Cardosas” na esquina nascente do Palacio onde agora reabriu o café Astória? (Um que sabe destas coisas entre outros é Maurício Branco).

 

  (Num próximo post vou falar do Astória)

 

 

  Fiquem bem, (antonio)