Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade - XLVI (O barreleiro)

A imagem mostra-nos dois apetrechos feitos de cortiça mas com finalidades diferentes. O maior, barreleiro, que encontrei há dias numa casa abandonada a cair aos bocados, outrora abrigando gente, casa de caseiro, onde estava todo espatifado, desengonçado que nem uma minhoca, cheio de teias de aranha e toda a sorte de lixo. Foi um achado e como ando numa de recolha de “velharias” recolhi-o e tratei de lhe dar a primitiva forma segurando-o com cravelhas. O barreleiro era onde se faziam as barrelas que era nem mais nem menos do que uma operação de branqueamento, com cinza e água a ferver, das roupas brancas normalmente de linho que estivessem encardidas. Era uma máquina de lavar do tempo das nossas avós…
Quanto ao irmão mais pequeno, é o tradicional cortiço das abelhas agora também já substituído pelas colmeias móveis de madeira. Pontualmente ainda se encontram nalguns sítios com a utilidade para que foram feitos.
 

 

   (antonio)

O crucifixo na sala de aula

Novamente a polémica estala. Esta questão não é de agora. Já é recorrente e é despertada, de quando em vez. E eu fui apanhado, nos meus 12 últimos anos de serviço, aqui em Ramalde, Porto, por esta questão. E foi muito simples. Recebo um telefonema do Conselho Executivo a informar-me que iria receber dentro de momentos no estabelecimento uma jornalista do Diário de Notícias para prestar umas declarações sobfre os crucifixos na sala de aula. Muito bem, disse eu, terei todo o gosto em responder a todas as questões da jornalista desde que estivesse ao meu lado a representação do mesmo Conselho Executivo. Que não, não era possível estar ninguém do Conselho Executivo, pelas mais variadas razões. Então eu finalizei com a minha negativa em receber pessoalmente o diário, argumentando que como os meus superiores hierárquicos sabiam, eu só podia prestar declarações à imprensa desde que fosse autorizado. E assim ficou uma jornalista sem entrevista... Saudações tripeiras do Francisco.

 

Opiniões sobre o crucifixo na sala de aula
Associação República e Laicidade Associação Famílias de Braga Moisés Espírito Santo Vaticano

Por um lado rio-me, por outro choro de revolta.

É verdade. É assim tal e qual como escrevi neste título. E tudo por causa das notícias. Eu explico. Rio-me do que a Assembleia da República decidiu. Só agora? O que têm andado a fazer? Enfim...

 

VEJAMOS O QUE DECIDIU A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
RÁDIO RENASCENÇA - MÚSICA E INFORMAÇÃO

E choro pela tristeza de país em que nasci e em que ainda estou. Então eu vivo num país que quer ter TGV e tem ali na Serra de Serpa mais de 500 munícipes sem luz??? Sim, eu disse sem luz eléctrica!!! É verdade. Isto foi denunciado hoje, a seguir ao telejornal da RTP. Os meus parabéns aos jornalistas que produziram, realizaram e editaram esta peça jornalística. No meu país? Ali em pleno Alentejo? Ali onde a CDU venceu mais uma vez as eleições? Mas eu vivo num país que está na União Europeia e que não tem uma distribuição de energia eléctrica a cobrir todo o território? Ai, se calhar foram para lá viver há pouco tempo e ainda não chegou lá a luz... Nada disso! Há décadas. Há dezenas de anos que aquelas pessoas lutam pelos seus direitos e...nada! Veja-se.

 

VEJAMOS A REPORTAGEM DOS LOCAIS DE PORTUGAL CONTINENTAL ONDE AINDA NÃO CHEGOU A ENERGIA ELÉCTRICA
RTP - LINHA DA FRENTE

Saudações muito emocionadas do Francisco.

Parabéns e saudação de boas vindas!

Parabéns Benilde e sê bem-vinda ao grupo. Acabei de dizer sim à aceitação do teu convite. És, portanto, a partir de agora, uma autora deste nosso espaço com totais e plenos direitos. Acabou-se. Acabou-se de vez a tua participação em escondidos comentários. A partir de agora irás publicar na página principal deste jornal virtual. O teu nome já está, como podes verificar, na lista de autores do blog. Muito obrigado Benilde. Deixa-me agradecer-te toda a tua paciência e toda a tua persistência. É que, como já reparaste, este nosso espaço está necessitado de colaborações como nós estamos de pão para a boca.E como não estou fisicamente à tua beira para te poder agradecer com um beijinho, envio-te esta flor como sinal de gratidão e de amizade. Então até já. Saudações tripeiras do Francisco.

Pág. 3/3