Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Pela ruralidade- XLVIII (A tamanca)

O senhor Manuel era um caseiro que mais a patroa e os dois filhos já espigadotes fazia umas terras de seis carros de milho, uma leira de centeio e até há pouco um campo de linho, mas como este era muito trabalhoso deixou-se disso. Tinha já trabalho de sobra pensava uma égua, filha de campeão como garbosamente o senhor Manuel destacava, sempre bem calçada, para ir às festas das redondezas, era um ferrinho como ele dizia, ao S. Macário, à Santa Eufémia da Carriça e ao S. Domingos da Serra. Também tinha ovelhas, cabras, dois cevados, aves de capoeira e sobretudo três vacas de raça arouquesa. Assim quando uma destas estivesse prenha no fim do tempo e por conseguinte não se podia apor ao carro sobravam as outras para ajudar nos trabalhos agrícolas. Era gado de bom rendimento, andavam ao boi no tempo certo e “agarravam” com facilidade. O senhor Manuel ciclicamente fazia umas notas na feira de Nespereira com a venda dos bezerros, apenas um senão, tinha de repartir com o patrão, dono das terras e do gado.
Quando no fim do Verão o penso escasseava era habitual levar o gado para rapar no campo do restolho onde havia alguma ferrã. Como nos humanos o seguimento dos mais velhos era também apanágio nestes animais, a vaca maior era seguida pelas outras. Era uma vaca corpulenta com as gaitas reviradas, molengona no andar, mas possante ao carro. Aqui há que referir que o campo estava a ficar eirado e então o apetite natural do gado para lambarar no terreno verde ao lado. Para desmotivar essas eventuais escapadelas o senhor Manuel colocava uma “tamanca”(ver imagem) numa das “mãos” da vaca patriarca, fazendo-lhe peso, para assim lhe refrear alguma cobiça ao pasto verdejante do vizinho. Por analogia podemos referir que para os equídeos havia as peias(correntes de ferro) e para as ovelhas e cabras as traves(tira de barbante ou couro).
 

 

   Fiquem bem, antonio