Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto - XL

 

 O passeio de hoje promovido pela revista Visão e orientado pelo conceituado jornalista e historiador do Porto, Germano Silva, andou à roda do S. João.
Vou então deixar aqui umas sintéticas pinceladas sobre os festejos deste santo carismático. Não aquele que foi há poucos anos colocado no nicho da monumental fonte da Praça da Ribeira que não dá pergaminhos a quem o fez nem a quem o mandou lá pôr. São as tais sacanices que se vão fazendo na cidade, o que está mal.
Então tínhamos o S. João da Lapa, liberal; o S. João de Cedofeita, miguelista e o S. João do Bonfim, republicano. As festas são joaninas tinham aí os epicentros e cada um aí puxava a brasa para a sua sardinha. Mais tarde diluiu-se pela Baixa sendo que as Fontainhas passaram a ser a “Meca”, no dizer de Germano Silva, do S. João onde a sardinha assada, broa e o tintol ajudavam na alegria.
Actualmente o S. João tem outras apelações desde a Baixa do Porto até à Foz e Castelo do Queijo que estão a protagonizar os festejos. A cerveja e as francesinhas tomaram o lugar do bom verde e da broa; o alho-porro foi destronado pelo martelo de plástico. O arraial popular de folia, esse mantém-se na noitada do S. João.
 

( A árvore da imagem é um lindo jacarandá na Rua das Águas Férreas)

 

   Fiquem bem com os melhores desejos de bom S. João, antonio

Arte em Espinho

 

"Queda do Império" era o título desta magnífica obra de arte, entre muitas outras, de carne e osso vista por mim hoje de tarde!...

 

   (antonio)

Espicaçando

PARTICIPE

 

 

Questão submetida à consideração dos simpáticos leitores

 

 

DORMIR

é, para si, perda de tempo ou muito pelo contrário?

 

 

 

Colabore; responda; comente; participe que eu depois prometo que lhe conto uma história...

 

 

 

Eokj com esta, vou mesmo dormir

 

 

E, com esta, vou mesmo dormir! Será que vou perder tempo de vida ou recuperar forças? Qual a sua opinião sobre o assunto? Por favor, não forneça estudos científicos, mas sim a sua opinião pessoal.

 

 

 

Um abraço

de Maria da Graça

 

 

 

 

 

 

 

É BOM REGRESSAR!

 

INSISTIR

QUALIDADE OU DEFEITO?

 

 

Quando alguém chega, mandam as regras da boa educação que se reapresente e cumprimente: então, eu continuo a ser a Maria da Graça e desejo um bom dia ou noite (conforme a hora de acesso e este blog) para todos vós.

Acontece, que tenho tido imensa dificuldade em publicar no blog. Como a nossa amiga comum,,  Porcina disse: tiraram-me o pio... ( o meu p.c. tirou-mo ). Ei amiga, mas como eu não sou de perder o pio, ressurjo . Pois,  cá estou novamente, mais  "crescidinha" e decidida a deixar de me preocupar demais com o que pensem da minha simples escrita. Eu gosto de o fazer e quem não gostar está no seu pleno direito...E vamos todos fazendo o que gostamos.

E, justificando o subtítulo deste post, regresso insistindo em "Espaço de Leitura" e recomendando:

 

 

 

                                O Caminho menos percorrido

 

                                                             M. Scott Peck 

 

 

 

                                                           Sinais de Fogo

 

 

 

 

Esta obra promove e constitui, por si mesma, um processo de crescimento interior e pessoal.

 

 

 

Um abraço

de Maria da Graça

             

 

 

Rescaldo do Euro

Já por aqui tenho dito que não vou muito em futebois, embora não tendo aquela mística dos apaniguados, nada tenho de animosidade.

O Sr. Scolari e a equipa portuguesa estavam a ser endeusados pelos bons resultados que estavam a acontecer. Mas Portugal foi arredado pela Alemanha, então é interessante observar como até aqueles que davam beijos e abraços como o Sr. Madail, agora começam a partir a loiça!...

Sr. Scolari não era pera doce para a comunicação social mas como era ganhador a coisa ia-se sofrendo. Agora que perdeu e deu o fora leva porrada. Estava tudo à espera que o grande jogador que é, Ronaldo, fizesse um bonito no jogo com a Alemanha. A coisa não saíu bem senão às tantas tínhamos já gente a pensar em dar o seu nome a algum estádio como no passado recente deram a pavilhões, um no Porto e outro em Lisboa, a atletas!... Neste jogo a agulha magnética virou-se então para Deco, o pivot do jogo.

Não entendo como há dirigentes de futebol há décadas como o Presidente da Federação. Aqui no Porto também aconteceu o mesmo com o falecido presidente da distrital. Mas esta minha crítica é extensiva também a outras áreas como os Presidentes das Câmaras que fazem dos concelhos territórios seus de "usucapião".

 

   Fiquem bem, com o S. João, antonio

Olhar o Porto - XXXIX

 

A cidade está numa transformação constante. O casario, as ruas, as pessoas, os costumes vão sendo moldados por exigência do correr do tempo.
Hoje é impensável ver manadas de gado vacum ou uma carneirada a atravessar a ponte Luís I, como carros de bois às centenas a carrear pelas ruas da cidade. Se  nos pode parecer bucólico ou uma treta para os mais novos a verdade é que tudo isto não vai assim há tanto tempo. Ainda há por aí gente madura que pode testemunhar. Mas se ainda recuarmos no tempo cerca de 200 anos nem sequer dá para imaginar o  lavrador de calças de cotim já cansadas, com dianteiras e quadras, descalço a empegar o milho do restivo no Campo das Hortas (actual Praça da Liberdade)  com uma poçada vinda em rego de terra batida através do Laranjal, dos mananciais da Fontinha. Em cada talhadoiro o empenhado lavrador regava uma torna. Eram terras do Bispo, que tinha tanto de prepotência como de agiotice sempre pronto a verrumar no pobre caseiro. Ficavam fora da grande cêrca, leia-se muralha Fernandina, do lado norte. A mulher, essa estava no alpendre da casa a preparar uma réstia de cebolas enquanto um dos filhos, já espigadote mas ainda criançola, a guardar as vacas no pasto com grande afinco pois a "cabana" andava muito irritadiça, só queria ir para o lameiro do vizinho, "andava ao boi"!...A filha mais velha, uma mocetona fresca e bem roliça com faces rosáceas tisnadas pelo sol campestre, barriga da perna bem torneada, olhar felino, fazia furor aos moços da Quinta do Laranjal que chegavam não a vias de facto mas quase, em azedas disputas junto à fonte da Natividade quando a moçoila lá ia buscar um caneco  de água.  A mãe  tinha-a mandado pela vizinhança rogar para a tascada que ia ser feita à noite, no quinteiro, à luz do lampião. O mais pequenito, um fedelho ainda de meses, estava ali à vista da mãe, dentro de um gigo, qual parque infantil dos tempos de hoje, tinha pendurada ao pescoço por um baraço uma mamona nauseabunda feita de estopa, a lamber a ranheta que lhe escorria do nariz perante a indiferença da progenitora mais preocupada a encabar as cebolas para assim terem melhor venda. A um canto, junto à sebe da chiola, o podengo magricelas estava ali deitado em "ninho de cão" com a barriga a dar horas à espera de um osso que nunca mais chega!...


A minha sogra, cuja provecta idade já por aqui referi, foi protagonista da história verídica que passo a descrever. Trabalhava na agricultura perto da Praça da Corujeira. Na altura o Mercado do Bolhão era abastecido pelo que se produzia nas quintas dos arrabaldes. Então ia a minha sogra para o Bolhão, pela Rua de Bonjoia, com um molho de hortículas à cabeça equilibrado numa rodilha e como lhe dava melhor andamento ia descalça. Aparece um polícia:
- Então a senhora não sabe que não pode andar na rua descalça, sabe que dá multa?
- Ó senhor guarda eu lá em casa ando calçada mas agora dá-me mais jeito ir descalça.
- Pois, mas deve ser ao contrário, na rua deve ir calçada, para a próxima terei de lhe aplicar a multa (5#00).

PS: Acresce dizer que o Governo Civil do Porto, em 1957, entrando em vigor no dia 1 de Janeiro de 1958, emitiu um regulamento que dizia no artigo 1º: É proibido nas cidades e vilas, nas estâncias termais e nas sedes das zonas e regiões de turismo deste distrito o trânsito de pessoas descalças na via pública.

 

   Fiquem bem com mais este meu contributo citadino, antonio

Pela comunicação social

Estávamos já habituados às manipulações políticas nomeadamente quanto às percentagens do deve e haver em economia, saúde ou educação, que os craques nos apresentam. Os números dão para todas as justificações quando bem esgrimidos. E então quando há eleições chega-se ao patético de todos ganharem com os argumentos mais engenhosos. Mas as manipulações são transversais a toda a sociedade e então nos meios de comunicação!...
Ao abrir o JN nas páginas centrais “MUNDO” o que observo: na página do lado esquerdo praticamente ocupando toda a lauda “500 mil manifestantes na rua contra Sarkozy” com o título garrafal e a seguir vem o extenso texto. Na página do lado direito, notícias destacáveis de “OTAN e Exército preparam luta contra taliban” “Embaixador de Bin Laden na Europa libertado sob fiança” “Fotonotícia: Algore ao lado de Obana” e pasme-se: notícia minúscula no canto direito inferior “IRAQUE, mais de 50 mortos em Bagdad" e pequeno texto (o sublinhado é meu).
Nota conclusiva: estamos numa sociedade em que a vida humana está a ser desvalorizada, a contabilidade de mortos e feridos está ao nível duma rasa de feijões!...
 

    (antonio)

37º aniversário de curso IX

Minhas caras colegas e meus caros colegas de curso

É já no próximo dia 28 do corrente que nos vamos encontrar para festejarmos o 37º aniversário do nosso curso. No entanto, resolvi disponibilizar aqui o álbum de recordações, ou seja, clicando na fotografia temos acesso a um conjunto de fotografias que se reportam à nossa estadia na Escola do Magistério Primário do Porto. Se, eventualmente, tiverdes fotografias que ainda aqui não estão publicadas, podereis levá-las ao nosso encontro para eu  as poder digitalizar e, assim, poder enriquecer este álbum. Até breve. Saudações magistéricas do Francisco.

 

S. João

 

Como já cheira a alho pôrro, gosto mais de alfádega, um cheirinho duma cascata que está patente no Clube Fenianos Portuenses, obra muito minuciosa de Antonio Aires do Carvalhido. Para quem gosta destas coisas, há lá profissões extintas, que nem nos passa pela cabeça. Tem magnífico som a esclarecer cada uma das situações visionadas.

 

   (antonio)

OLÁ COLEGAS DO NOSSO CURSO

 

A data do nosso ' GRANDE ENCONTRO ANUAL ' está a aproximar-se. A Organização, empenhou-se em nos proporcionar um dia muito agradável e especial, aliás como já vem sendo hábito, nos nossos encontros; além dos colegas,o Rio Douro irá ser testemunha de tudo... Um bem-haja para a Ana, Zé Manel, Conceição e Luísa;  não se preocupem em demasia, pois tudo irá correr conforme o planeado. Na data certa, já falei com a Luísa a comunicar que não poderia estar presente, pois a data coincide com um compromisso familiar. Acreditem que tenho imensa pena, mas não se pode estar em dois sítios ao mesmo tempo!...

Aproveito para saudar todos os colegas e muito em especial, os colegas Francisco e António pela grande aposta no blog do nosso curso.

Parabéns pelo grande empenho e persistência no 'nosso', VOSSO BLOG. Vocês não param de enriquecer, aquilo que deveria ser feito por todos os colegas do curso. Os homens, realmente, têm mais disponibilidade de tempo e... (pronto, pronto... já tapei os ouvidos...), as colegas também poderiam participar mas…. Têm falado com a Graça? Coitada, perdeu o piu, como a Porcina.

No encontro,tenham cuidado para que não desapareça nenhuma carteira! Ah...Ah...Ah...

Colegas aproveitam o máximo no Encontro, entrelaçando a conversa com a recordação, a saudade e a boa disposição.

Um grande abraço para todos.

 

Porcina