Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Cronicando

 "Cada um puxa a brasa para a sua sardinha"

É, apenas, mais um provérbio. Mas, uso-o como fundamentação de dois pontos:

1º.- Por durante estes próximos dias, vos referenciar ESPINHO.

2º.- Como meio de lembrar os Santos populares e a bela sardinha "do nosso mar" como a vareira desta cidade apregoa e como o Orfeão tão bem a canta.

Pois é,"cada um puxa a brasa para a sua sardinha". E, por falar em sardinhas, hoje deliciei-me com umas quantas sardinhas assadas, muito bem acompanhada (com a minha família) num daqueles restaurantezinhos típicos à beira-mar. Não sentem o cheirinho?! Na nossa mesa, ao mesmo tempo que se comía, havia quem dissesse:

-Hum, isto é melhor que lagosta!...

Ao que todos se riram. Perante este riso geral, a apaixonada por sardinhas (que não eu) e que nunca fica farta  das mesmas, retorquia:

- É a sério! Adoro sardinhas. Prefiro-as a marisco.

Alguém respondeu:

-Sorte tua. Fica-te mais barato.

E foi nesta amena e alegre cavaqueira que comemoramos o S. António "atrasado, mas mui bem saboreado".

E, como a família "Figueiredo" (em homenagem ao seu patriarca), apresenta  a sabedoria e felicidade de apreciar as coisas simples, lá comentávavamos que tínhamos cumprido a tradição e quão bem tinha sabido.

Como o que é bom, deve repetir-se, já ficou combinado que tinhamos que comemorar o S. João com outra sardinhada. Já chegaram lá, pois já? Claro! Para o S. Pedro não ficar triste haverá outra sardinhada... (fora as que nos apetecem durante todo o ano, mas as dos Santos são especiais, talvez sejam abençoadas).

E, com ou sem sardinhas, " façam o favor de serem felizes", como dizia o Raúl Solnado.

Um abraço da

Maria da Graça

Foto do dia

 

Agora até a placa central da Praça da Liberdade, no Porto,  serve de exposição, em duas enormes tendas, da Escola de Artes decorativas Soares dos Reis! E o D. Pedro IV metido nesta embrulhada!

Esta é mais uma que não lembra ao diabo. E então aquele espectáculo de amarração das tendas aos candeeiros e a umas cisternas cúbicas cheias de água! E claro os transeuntes que furem por aqui e por ali!

Passem por lá e vejam, eu não gosto.

    (antonio)