Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto

 Foi a minha primeira vez, ouve-se esta expressão carregada de um certo ar libidiano. Eu não fugirei à regra mas do que vou falar nada tem a ver com essas excitações.

Há sempre na vida determinados momentos que nos despertam para gostar de...

 O Jornal de Notícias publicou em Outubro de 1981 cinco reportagens de Alfredo Natal sobre o Porto antigo " O Porto desterrado". Foi um passeio histórico que na altura me interessou e que agora passados 26 anos revi. Dizia o jornalista que "O Porto, a mui nobre sempre leal invicta cidade tem a beleza austera do granito, que impera na sua paisagem, apesar de ser constantemente destruída por obra do homem com o desaparecimento de arquitectura de conjunto, indicador de personalidade da urbe". Falava o autor da reportagem em florestas de betão, progresso balofo, pseudo-modernismo, edifícios incaracterísticos e despersonalizados símbolo de uma pretensa civilização.

Nas cinco reportagens não se limitava a descrever o que achava errado, concretizava com fotos de Pereira de Sousa.

Das imagens e referências críticas, algo mudou. A Casa dos 24 foi reconstruída embora mal na minha óptica, o postigo do Carvão, na Ribeira, uma das entradas na muralha Fernandina, que era um antro de lixo foi recuperado.

Passados todos estes anos a ideia de força das reportagens que era a preservação do património estão actuais e isso mesmo já fiz ver ao próprio, um dos elementos do curso "magisterio6971".

 

         Fiquem bem, antonio