Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Espaço de Pensamentos

Pensamento do dia

"A confiança é uma mola misteriosa que põe em acção toda a força que há em nós"

E.Thiriet

"A bondade em palavras cria confiança; a bondade em pensamentos cria profundidade; a bondade em dádiva cria amor" 

Lao-Tsé

Façam o favor de serem felizes

 

Saudações confiantes

Maria da Graça

Espaço de Poesia

Caras e caros bloguistas

 

Hoje apetece-me ler e escrever poesia, mas como não sei escrevê-la, limito-me, mui humilde e respeitosamente para com o seu autor, a transcrever esta poesia:

 

"Parte II"

"Odes e outros poemas"

1

Mestre, são plácidas

Todas as horas

Que nós perdemos,

Se no perdê-las,

Qual numa jarra,

Nós pomos flores,

 

 

Não há tristezas

Nem alegrias

Na nossa vida.

Assim saibamos,

Sábios incautos,

Não a viver,

 

 

Mas decorrê-la,

Tranquilos, plácidos,

Tendo as crianças

Por nossas mestras,

E os olhos cheio

De Natureza..

.

À beira-rio,

À beira-estrada,

Conforma calha,

Sempre no mesmo

Leve descanso

De estar vivendo

.

O Tempo passa,

Não nos diz nada.

Envelhecemos.

Saibamos, quasi

Maliciosos,

Sentir-nos ir.

 

Não vale a pena

Fazer um gesto.

Não se resiste

ao deus atroz

Que os próprios filhos

Devora sempre.

 

Colhamos flores.

Molhemos leves

As nossas mãos

Nos rios calmos,

Para aprendermos

Calma também.

 

 

Girassóis sempre

Fitando o sol,

Da vida iremos

Tranquilos, tendo

Nem o remorso

De ter vivido

.

 

Ricardo Reis

Obras de Fernando Pessoa

 

Transcrito por

Maria da Graça

Olhar o Porto

 

Hoje agrupei-me com uns fiéis sob a batuta do grande conhecedor da cidade, Hélder Pacheco. Das dez às duas da tarde foi sempre a dar-lhe com partida do largo de Mompilher e chegada a Cedofeita junto à igreja romântica passando por Praça Coronel Pacheco, Mártires da Liberdade, Praça da Republica, Lapa, Boavista e Cedofeita, locais palmilhados admirando o Porto do sec. XVIII e XIX e fechando os olhos aqui e ali aos atentados urbanísticos que nos assaltam.

Uma profícua aula de história que começou com a evocação dos Almadas, pai e filho, que foram os grandes obreiros da expansão da cidade para além da muralha Fernandina. As lutas dos taberneiros (havia 400 tabernas, era muita gota para a cidade que ainda estava  quase só entre muralhas)  que bateram o pé ao marquês de Pombal e mais tarde as lutas liberais estiveram sempre na defesa dos intereses da cidade do Porto, foram lembradas.

Referência às estradas de Valongo, Trás-os-Montes - Rua de Santo Ildefonso; de Guimarães - Rua do Bonjardim e mais tarde Stª Catarina; de Braga - Rua dos Mártires da Liberdade e Esposende, Viana - Rua de Cedofeita. Eram as saídas para o interior qual polvo com os seus tentáculos que partem da cabeça - centro da cidade.
Hélder Pacheco e no outro passeio na Foz, Júlio Couto, onde também tive o privilégio de participar são sabedores da história da cidade e bons comunicadores metendo uma suaves buchas de crítica política humorística ( eles não se podem alargar pois são pagos pela C.M.P.).
Para aqueles que como eu andam sempre a dizer mal da Câmara pelas atrocidades nos Aliados é justo apreciar este gesto tão digno oferecendo graciosamente estas visitas orientadas!...