Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Deambulando

A tarde estava convidativa para andar pela cidade observando aqui e ali o pulsar dinâmico ou estático da urbe.

A penantes saí aqui de casa não sem antes  decidir se iria de manga curta ou comprida. Desço à marginal, passo sobre os pontões do R. Torto e R. Tinto e  sob uma, duas, três, quatro, cinco pontes a sério,(Freixo, S. João, Maria Pia, Infante e D. Luís) algumas carreando o intenso tráfego outras nem por isso. Refiro-me à Maria Pia que está mesmo abandonada! Será que não haverá na cidade massa encefálica capaz de dar utilidade a esta ponte? Mas se ideias houver não devem ser entregues ao tal arquitecto que andou nos Aliados a fazer o que não devia.

Descarregamento à parte, esta marginal é um espectáculo. Toda ela do lado do rio suportada com muro de boa cantaria encimada por murete de segurança para os peões de pedra faceada. Em vários locais devido ao intenso tráfego foram derrubadas pedras tendo caído na margem do rio onde ainda se podem ver. O que fizeram as autoridades a quem compete a manutenção? Simplesmente fizeram os lanços de murete derrubados, em betão quando seria mais razoável içar as pedras e colocá-las no devido lugar. Então agora há maquinaria! Algumas estão partidas, mas faziam-se outras. Tenho uma amiga que diz e eu corroboro: agora só sabem destruir!

Bem, mas a tarde não era só para a marginal. Cheguei à Ribeira e subi S. João, R. das Flores, Mousinho da Silveira... Sempre com o nariz no ar. E que observo? Aquilo que estou farto de constatar! Uma cidade  abandonada onde se chega ao cúmulo de entaipar as portas e janelas com blocos de cimento certamente para os drogas não entrarem. Ao nível da rua algum comércio tenta resistir, já muito vindo do Sol Nascente, não sei até quando!...

Mais acima entro na parte mais nobre (já foi) da cidade e aí até os bancos deram o mau exemplo: edifícios fechados já há anos.

Esta foi a minha vista diurna da cidade. Qualquer dia vou fazer uma visita nocturna, certamente terei de ir com segurança, e depois direi o que vi.

 

Saudações, antonio