Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Olhar o Porto

Do picadeiro à praia era o mote do passeio nocturno promovido pela CMP sob a batuta do historiador Helder Pacheco.

Sec. XIX e 1º quartel do XX:
Rua da Picaria, estou mesmo a ver por ali estrebarias, ferradores, oficinas de albardeiros e correeiros, gado cavalar bem calçado a trotear na calçada salpicada com esterco. Gente de bem cavalgar a toda a sela com botas cardadas com esporas reluzentes, polainas, pingalim e samarra com gola pele de raposa. O picadeiro era ali, notava-se pelo movimento e pelo cheiro a cavalo que pairava no ar!...

Sec XXI:
O numeroso grupo ontem às 21H a partir do largo Monpilher seguiu pele Rua da Picaria onde ainda abundam as lojas de moveis seguidoras da feira das caixas que existiu em Carlos Alberto. Praça Filipa de Lencastre e ficamos a saber que é recente a sua construção. Pela antiga Rua do Correio chegamos aos Clérigos por onde passava a muralha Fernandina. Mais acima na porta do Olival, no café com o mesmo nome ainda se pode ver no seu interior um pano da muralha. Mais adiante na Rua Barbosa de Castro vislumbram-se as ameias da muralha encoberta agora com o casario. Por ali a casa ligada a Alexandre Herculano, subimos ao morro da Victória onde a vista se espraia, mais abaixo o Passeio da Virtudes, um miradouro que segundo Helder Pacheco rivaliza com outro, o das Fontainhas. Sempre com as histórias adoçadas do historiador passamos por cima do rio Frio encanado por fortes capas graniticas. Vem lá de cima do Carregal e desagua ali perto no Douro.
- Se todo o grupo fizer silêncio, alvitra o historiador, ouve-se aqui debaixo dos nossos pés o rio a cantar em cachoeira!... Todos fizeram silêncio!... E ouviram o rio!...
Entramos no miolo de Miragaia, ruas, ruelas, becos, pequenos pátios e túneis... Finalmente os Arcos de Miragaia e uma referência à casa onde nasceu o escritor Tomás Gonzaga. Em frente o grandioso edifício da Alfândega que veio abafar e menorizar a praia ribeirinha de Miragaia. No passado também se comeram erros graves que hoje quase nos passam despercebidos!

Boa noite e obrigado, até à próxima Dr. Helder Pacheco, foi o coro uníssono de todos os acompanhantes.

Fiquem bem, antonio

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.