Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

BOLO DE S. JOÃO

Assim escreveu o Professor Hélder Pacheco sobre o Bolo de S. João, em Junho de 2007

 

BOLO DE SÃO JOÃO

 

Os comeres regionais, as tradições gastronómicas locais afirmam uma identidade e constituem factores significativos das diversidades culturais que representam o património do país. Nesta perspectiva, as comidas cíclicas assumem particular significado quanto aos usos e costumes das localidades ou regiões.

Nos acontecimentos que integram as tradições portuenses, têm especial importância as Festas de S. João. Não sendo padroeiro da cidade, o Santo Percursor deu origem ao período mais animado e intensamente vivido pela população, na sua dimensão festeira familiar, convivial, comunitária e, sobretudo, participativa. E, como em todas as épocas especiais, a comida está presente, através do carneiro, cabrito ou anho assados com batatas, na noite ou no almoço de 24 de Junho, ou do pão quente com manteiga e café com leite, na madrugada do mesmo dia. Faltava, porém, um doce (como nas demais festividades cíclicas) próprio da quadra.

Talvez por isso, os pasteleiros do burgo inventaram – ao que, para já, sabemos – pelos anos trinta ou quarenta do século XX, uma receita adaptada à época, que designaram por “Bolo de S. João”. Seria largamente anunciado (designadamente na imprensa) e vendido nas principais pastelarias portuenses ao longo daquelas décadas como “especialidade”.

Inexplicavelmente, a partir dos meados do século, aquilo que parecia uma tradição a entranhar-se no ciclo da festa – salvo em algumas casas que a mantiveram residualmente -, caiu no esquecimento e desapareceu dos hábitos da cidade.

No momento em que a requalificação e o próprio renascimento urbano do Porto estão na ordem do dia, parece evidente que elas passam também pelo revigorar da tradição, a animação do comércio e o desenvolvimento de práticas culturais que dinamizem a vida portuense. Conscientes da importância da Festa Sanjoaneira e suas manifestações para a valorização e defesa da identidade tripeira, a UNIHSNOR – Núcleo Pastelarias com o apoio do Exm.º Sr. Professor Hélder Pacheco, organizaram e dinamizaram um grupo de pastelarias da cidade para promover junto do público o relançamento do Bolo de S. João, como especialidade da época.

O objectivo desta iniciativa é incentivar o progresso de costumes, hábitos e actividades que, para lá dos aspectos sociais e culturais, contribuam para o crescimento do comércio portuense, esteio e motor da vida da urbe. Por que não comemorar a Noite no convívio da família e dos amigos, com umas fatias deste bolo e saboreando o néctar sublime chamado Vinho do Porto? Por que não servi-lo à mesa do almoço do dia de S. João? Por que não degustá-lo juntando-lhe sorvete, doce de ovos, chocolate, o que melhor lhe aprouver e souber? Um bolo pelo S. João? Reinventar uma tradição? Um gosto pelo Porto? Porque não?

Bolo de S. João

 

1 comentário

Comentar post