Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Um dos "torna viagem"

Com uma mão à frente e outra atrás, fato novo na aparência certamente comprado no adeleiro e uns sapatos à foge que te agarro feitos de encomenda no sapateiro da aldeia, já tinha ido há dias o jovem rural tratar dos papeis para ir para o Brasil.

Lá na terra tinha deitado um olhar mais assertivo para os campos mesmo que não fossem seus, para os caminhos e carreiros que sempre pisou e levava nos tímpanos o cantar da água do ribeiro em cachoeira. Mas o seu último olhar foi mais demorado sobre o frondoso castanheiro longal onde todos os anos um casal de melros fazia o ninho. O incansável macho de bico amarelo deixava o nosso homem encantado com os chilreios – era mais uma saudade!

Sorte, sorte, se era solteiro, mas se tal não fosse cá deixaria a mulher e eventualmente filhos à espera de cartas de saudade e de remessas de algum dinheiro. A viagem para chegar ao el dourado demorava uma porrada de tempo nos veleiros, mais tarde vapores, e sabe-se lá em que condições, mas a fé de chegar aos “brasis” era grande.

A imagem que acompanha este post retrata o nosso “brasileiro” acabado de regressar, início do séc. XX, bem nutrido, a sua postura e os adereços que ostenta são a revelação do emigrante bem sucedido. É a imagem de quem não esconde a felicidade deixando lá na terra uma admiração pelo agora senhor fulano que tinha chegado do Rio e todos faziam uma retrospectiva comparativa do magricelas que tinha um dia ido procurar a sorte. E se na partida tinha havido despedidas com choros e comoções, agora era a alegria materializada numa dúzia de foguetes  de boa estouraria, que ecoaram nos mesmos céus, antes cinzentos, agora azuis.

 

(a imagem é do meu avô, que não conheci, 1870-1935)

 

 

 

 

 

    (antonio)

Comentar:

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.