Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Magistério6971

Os autores deste jornal virtual apresentam a todos os visitantes os seus mais cordiais cumprimentos. Será bem-vindo quem vier por bem.

Aposentação

0506francisco.JPG
Minhas caras e meus caros colegas
É com todo o prazer que vos anuncio que acabei de receber hoje mesmo, dia 28 de Novembro, o ofício da Caixa Geral de Aposentações que tanto ansiava. Assim, esta é uma imagem que se repetia há alguns anos e que vai deixar de ser feita.
Com beijos e abraços me despeço. Francisco.

Almoço de Natal

Minhas caras e meus caros colegas
A ideia partiu das nossas colegas Zélia e Odete: fazermos um almoço de Natal! Eu apoiei de imediato e ofereci-me para apresentar a sugestão. Por isso, aqui a deixo à vossa consideração. Vamos aos contactos? Até breve. Francisco.

Avenida dos Aliados

Aliados-jardim.jpg
Que beleza estética de jardim!...
Será que alguém por mais iletrado que seja concorda com a destruição desta maravilha, que já está a acontecer, para dar lugar a cinzentos cubos de granito? Que se lixem os cabeças pensantes desta ignóbil intervenção.

Curiosidades do Porto de antanho

Em 1836 a Câmara do Porto em edital avisava: "por última vez", que "todos os porcos encontrados pelas ruas de dia ou de noite" seriam dados "como perdidos". E que seus donos teriam de pagar seis mil reis de multa. Salvavam-se os que iam ou vinham de feira com pessoas que os guardassem.

No ano seguinte também em edital apelava-se ao povo que lance entulho nos lameiros situados entre a Rua Formosa e a do Bolhão. A ideia era criar uma praça. Mais tarde, veio o mercado.

Mais recentemente, em 1935 a Câmara do Porto acabou com a" feira dos moços" que se realizava na Praça da Corujeira. "Coitados os que vão à feira, os que vão oferecer ao seus braços à lavoura, são e todas as idades e as crianças, algumas tamaninas, fazem pena"

Outono

Ninguém cheira melhor
nestes dias
do que a terra molhada: é outono.
Talvez por isso a luz,
como quem gosta de falar
da sua vida, se demora à porta,
ou então passa as tardes à janela
confundindo o crepúsculo
com as ruínas
da cal mordidas pelas silvas.
Quando se vai embora o pano desce
rapidamente.

Eugénio de Andrade

É tão bonito o Outono! E romântico, não é? Beijos e abraços do Francisco.

Os pergaminhos do Porto

Avenida dos Aliados (Porto).jpg
Preservar o passado, modernizando, deveria ser o lema dos arquitectos que mexem no tecido urbano, mas não tem sido. Ora vejamos que qualquer cidadão não letrado constata atropelos à história da cidade que é um bradar aos céus.
Agora mais um desrespeito está em marcha: a substituição da calçada portuguesa com os seus belos desenhos em calcáreo e basalto na Avenida dos Aliados e Praça da Liberdade, por inestéticos escuros cubos de granito. São (eram) ex-libris da nossa cidade que fazem a admiração dos poucos estrangeiros que nos visitam e certamente no futuro ainda menos com este tipo de apelativo turístico!...
Nada se aprendeu com os erros do passado: a destruição do belo palácio de cristal (anterior ao actual) é o mais sintomático, bem como no passado recente as obras de requalificação da cidade no âmbito do Porto 2001 em que há intervenções simplesmente anedóticas para não dizer outra coisa - por exemplo colocar a estátua equestre de D. João VI em cima duma "paragem de autocarro" na rotunda do Castelo do Queijo (que teriam feito à bela pedra de cantaria do pedestal?). A destruição dos belos canteiros de jardins que havia pela cidade e que foram substituidos por eiras de pedra (Praças dos Leões, dos Poveiros, D. João I, envolvente da Cadeia da Relação etc)
Enfim, somos uma terra de tristes que consentimos todas estas tropelias!...
Para os meus caros amigos(as) que calcorrearam as ruas do coração da cidade nos tempos de estudantes na E.M.P.Porto, e não só, quero aqui deixar a todos vocês esta indignação que presumo que é partilhada por muitos de vós.

C/um xi para vocês, antónio

Este espaço pode ser a ponte.

arrabp.baixo.jpg
Minhas caras e meus estimados colegas:
Em primeiro lugar, os meus mais calorosos cumprimentos, neste tempo em que já sabem bem as castanhas assadas e a jeropiga. Pois bem, temos novos visitantes que deixaram os seus comentários: a Maria Clara e o Alfredo Natal. A ambos, bem-vindos sejam! E não defraudemos, meus amigos, as expectativas do nosso colega Alfredo Natal: que este seja um espaço de forum. Por esse motivo, me lembrei da ponte: que esta seja a ponte que nos une enquanto não chega o nosso encontro anual. E já agora, façam o favor de divulgar esta ponte, não se esquecendo de perguntar a cada colega com que falam, se já foram espreitar a www.magisterio6971.blogs.sapo.pt Para me despedir, sintam-se cumprimentadas/os da forma que mais vos aprouver. Francisco.